Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bem vindo ao Visão Notícias - 12 de Abril de 2024 - 16:45

PREVENÇÃO

Equipes de endemias reforçam combate à dengue e alertam para novos casos

01 de Março de 2024 ás 09h 30min, por Daiane Stela
Foto por ASSESSORIA

A Secretaria de Municipal de Saúde (SMS), por meio do Centro de Combate às Endemias, reforça a necessidade da conscientização e ação de todos, no combate ao Aedes aegypti, principalmente neste período em que as chuvas são mais intensificadas.  É fundamental que os moradores façam a sua parte, na verificação dos quintais e eliminação dos criadouros potenciais do mosquito. Adotar medidas simples de prevenção, como eliminar água de vasos de plantas, lavar vasilhas dos animais e fazer manutenção nas calhas e ralos, são atividades fundamentais pra diminuir o número de casos. 

Apesar dos trabalhos de fiscalização e acompanhamento das equipes de endemias estarem intensificados, os dados epidemiológicos apontam que em janeiro foram 261 notificações registradas, deste total apenas 16 casos de dengue foram confirmados, um caso de Chikungunya positivo, e 55 casos ainda em investigação. O primeiro Levantamento de Índice Rápido de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) de 2024, realizado entre os dias 19 a 23 de fevereiro, mostra que Sinop está na classificação risco alto, com índice de 11,3%. 

Durante o levantamento 3.380 imóveis foram inspecionados, revelando a presença de 575 focos do Aedes aegypti. Surpreendentemente, os dados revelam que em alguns bairros 63% dos focos encontrados foram no lixo doméstico, e em algumas localidades esse número sobe para 87%. O coordenador de endemias, Alef de Souza Costa enfatiza que a grande maioria dos focos estão dentro das casas.

Neste ano serão realizados seis levantamentos, os próximos serão nos meses de março, abril, maio, agosto e outubro. O LIRAa fornece dados valiosos sobre a presença do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, orientando as ações do poder público na luta contra essas doenças. 

“Os focos estão sendo encontrados no lixo doméstico, em materiais/recipientes fáceis de serem eliminados. Por isso, reforçamos a importância do comprometimento da população no combate ao mosquito. Se cada um for um agente em sua casa podemos reverter esses dados. São ações simples que podem gerar grandes resultados em benefício de toda comunidade”, ressaltou o coordenador.