Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bem vindo ao Visão Notícias - 14 de Agosto de 2022 - 02:41

OFENSAS NO WHATS

Polícia abre sindicância contra delegado: “Beira a perseguição”

07 de Junho de 2022 ás 11h 17min, por THAIZA ASSUNÇÃO
Foto por MidiaNews

A Corregedoria da Polícia Civil abriu uma sindicância administrativa contra o delegado e pré-candidato a deputado federal Flávio Stringueta (Republicanos) e os investigadores Rafael Benetty Poffo e Leandro Matias Garcia por supostas infrações disciplinares.

A sindicância foi instaurada pelo corregedor auxiliar Marcelo Felisbino Martins. O prazo para conclusão das investigações é de 30 dias.

O documento, publicado nesta segunda-feira (6), expõe supostas violações por parte dos policiais à lei completar Nº 407/2010, que dispõe sobre a Organização e o Estatuto da Polícia Judiciária Civil do Estado de Mato Grosso e do Regimento Interno da Polícia Judiciária Civil.

Ao MidiaNews, Flávio Stringueta afirmou que foi pego de “surpresa” com a abertura da sindicância contra ele e o investigador Rafael Poffo.

Conforme o delegado, ele e Rafael foram vítimas de ofensa por parte do investigador Leandro há dois anos.

Leandro, conforme o delegado, teria lhes ofendido em um grupo de Whatsapp da Delegacia de Roubos e Furtos de Cuiabá (Derf).

Outro policial que fazia parte desse grupo mandou um print das ofensas para Stringueta, que por sua vez, encaminhou para a Corregedoria, pedindo providências.

De início, conforme o delegado, uma sindicância foi aberta apenas contra Leandro.

Stringueta e Rafael foram intimados para ser ouvidos e questionados sobre quem tinha encaminhado o print.

Os dois não revelaram a fonte e, por isso, de acordo com o delegado, passaram a ser investigados.

“O único motivo de eu e o Rafael estarmos nessa sindicância é por preservarmos o nome da pessoa que mandou o print. Se a Corregedoria quer policiais dedos-duros, não seremos nós que vamos ser. Nós não vamos revelar”, disse.

“Prefiro responder 100 sindicância do que dedurar um colega. Não vamos ser dedos-duros para nos livrarmos de punições. Nem eu, nem o Rafael”, acrescentou.

Para o delegado, a abertura da sindicância beira a perseguição. Segundo ele, a punição que uma sindicância dessa pode gerar é “coisa boba”, como uma advertência.

“Dá impressão que o [corregedor auxiliar] Marcelo [Felisbino Martins] não tem o que fazer lá na Corregedoria. Deve estar faltando trabalho para ele. São questões de interpretações. Você pode interpretar [o fato de não revelar a fonte]  como uma falta ou um direito de não falar. Ele preferiu interpretar como uma falta disciplinar. É uma questão de preferência e, por isso, eu acho que beira a perseguição”, pontuou.