Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bem vindo ao Visão Notícias - 03 de Dezembro de 2021 - 21:19

DEFESA DE CONSELHO

“Governo deve olhar todos; estão negando existência de LGBTs?”

22 de Novembro de 2021 ás 08h 22min, por DOUGLAS TRIELLI
Foto por Mayke Toscano/Secom-MT

O governador Mauro Mendes (DEM) saiu em defesa da criação do Conselho Estadual LGBTQIA+, que visa denunciar e monitorar casos de violência aos direitos dessa parcela da sociedade em Mato Grosso.

A medida foi enviada pelo Governo do Estado no final de setembro, mas está, neste momento, travada na Comissão de Direitos Humanos, presidida pelo deputado evangélico Sebastião Rezende (PSC).

Mendes afirmou que o Estado deve ter políticas para todos os cidadãos e lembrou os diversos conselhos já existentes.

“O Governo tem obrigação de olhar para todos os cidadãos. Não importa sua opção religiosa, classe social ou orientação sexual. O Governo tem que ter políticas para todos os cidadãos. Não pode alguém querer dizer que essas pessoas não existem”, disse.

“Os deficientes precisam, as pessoas mais pobres precisam, as crianças precisam, os idosos precisam. Todas as pessoas que são minorias ou que têm algum tipo de demanda precisam. E o conselho é para isso, para discutir políticas públicas para determinados segmentos”, acrescentou.

O governador questionou se os contrários à criação do conselho tentam ignorar a existência dos LGBTs. Ele pediu “razoabilidade”.

“Tem dezenas de conselhos para grupos específicos de cada situação na sociedade. Por que não existir para esse?”, questionou.

“O que tem de errado em ter um conselho para discutir políticas públicas para um grupo? Estão negando que essas pessoas existem? Estão negando que essas pessoas precisam? Ora, gente, vamos ter razoabilidade, completou.

Travada na AL

O principal entrave no Legislativo, atualmente, é Sebastião Rezende (PSC). Outros parlamentares chegaram a apoiar, mas deram declarações controversas, como é o caso do deputado João Batista (Pros), que disse ser favorável somente se o conselho não for usada para falar que “todo mundo tem que ser viado”.

A medida, na verdade, além de denunciar crimes de homofobia, visa garantir a integração e participação da população LGBT no processo social, econômico, político e cultural de Mato Grosso.