Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bem vindo ao Visão Notícias - 27 de Maio de 2022 - 11:50

NOMES DE PESO

Deputado vê “timaço” do União Brasil e acredita em 5ª vaga na AL

14 de Maio de 2022 ás 17h 59min, por LISLAINE DOS ANJOS
Foto por Mayke Toscano/Secom-MT

Pré-candidato à reeleição, o deputado estadual Dilmar Dal’Bosco comparou a chapa montada pelo União Brasil para concorrer à Assembleia Legislativa com a Seleção Brasileira de futebol.

Segundo ele, trata-se de um “timaço”, com possibilidade de ampliar a bancada do partido no Parlamento. O peso do grupo, porém, não o intimida.

“Eu prefiro jogar na Seleção Brasileira do que na seleção de qualquer outro País. A Seleção Brasileira é um timaço. Acho que faz parte, você tem que estar em um time bom até porque você consegue, na soma de todos os votos, colocar mais deputados estaduais [aqui dentro]”, avaliou.

Hoje, o União Brasil tem quatro deputados com mandato e buscando a reeleição. Além de Dal’Bosco, estão nessa lista o atual presidente da Casa, Eduardo Botelho, e os deputados Sebastião Rezende e Xuxu Dal Molin.

Além deles, há outras figuras já conhecidas dos eleitores e com nomes fortes que já colocaram suas pré-candidaturas: o ex-governador Júlio Campos, o ex-secretário de Estado de Saúde Gilberto Figueiredo, e o ex-deputado estadual Baiano Filho.

“Eu vejo que com os nomes bons que temos, podemos fazer quatro deputados estaduais, podendo aí abrir uma quinta vaga, dependendo da soma dos votos do grupo”, afirmou.

Questionado sobre quem poderia ficar pelo caminho na disputa pelo Legislativo, o deputado preferiu não arriscar, mas brincou: “Não tem como saber. Não sendo eu...”, disse, entre risos.

O parlamentar ponderou que, apesar de ter quatro nomes tentando a reeleição, o resultado não poder ser dado como garantido.

“Isso é a disputa. Na minha primeira eleição, em 2010, eu disputei com 13 deputados estaduais eleitos na reeleição. E eu fui o 6º mais votado. Era um time grande e a minha chance era quase zero”, disse.

“Cada um tem a sua construção, mas claro que quem está no mandato pode ter um pouco mais de acesso porque você visita os municípios e faz atendimentos todos os dias no gabinete: são autoridades, prefeitos, vereadores, vice-prefeitos, presidentes de bairros e associações”, completou.