Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bem vindo ao Visão Notícias - 14 de Agosto de 2022 - 02:21

OPERAÇÃO NACIONAL

PF mira “laranjas” de golpistas que geraram prejuízo de R$ 18,2 mi

02 de Agosto de 2022 ás 08h 36min, por MIDIA NEWS
Foto por PF-MT

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta terça-feira (2), a Operação Não Seja Um Laranja, que tem como objetivo desarticular um esquema de fraudes em contas eletrônicas em vários bancos do País.

São 43 mandados sendo cumpridos em 13 estados brasileiros, entre eles, Mato Grosso. As fraudes causaram prejuízos de R$ 18,2 milhões.

De acordo com as informações, os 43 mandados estão sendo cumpridos em: Bahia, Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo e no Distrito Federal.

Em Mato Grosso, os mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Cuiabá e Cáceres (225 km ao Oeste).

Consta na PF que, nos últimos anos, foi detectado um considerável número de pessoas físicas em esquemas. Conscientes, eles emprestavam as contas para receber dinheiro dos golpes.

Com isso, possibilitavam a ocorrência bancária eletrônica em milhares de cidadãos. Essas pessoas são conhecidas, no jargão policial, como ‘laranjas’ e vem daí o nome da operação.  

Alerta da PF

A Polícia Federal alerta a sociedade que emprestar contas bancárias para receber créditos fraudulentos é crime, além de provocar um dano considerável aos cidadãos, quer pelo potencial ofensivo deste tipo de conduta delitiva, a qual tem sido um dos principais vetores de financiamento de organizações criminosas, como também pelos prejuízos financeiros a milhares de brasileiros.

Os investigados podem responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes associação criminosa, furto qualificado mediante fraude, uso de documento falso e falsidade ideológica, cujas penas podem somar mais de 20 anos de prisão.