Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bem vindo ao Visão Notícias - 24 de Junho de 2024 - 02:44

CASO INVESTIGADO

Laudo confirma que bebê de 1 ano foi agredido em creche de Cuiabá

16 de Maio de 2024 ás 09h 15min, por G1 MT
Foto por DIVULGAÇÃO

Um laudo confirmou que um bebê de 1 ano e 2 meses foi agredido em CuiabáA mãe da criança denunciou, à Polícia Civil, que a filha sofreu maus-tratos enquanto estava em uma creche municipal. O laudo foi realizado a pedido da polícia no dia 27 de abril, um dia após as supostas agressões, mas o reusultado só foi divulgado nesta quarta-feira (15).

Segundo o documento, "há vestígios de lesão corporal de que tenha sido vítima em data recente".

A mãe, que não quis ter a identidade divulgada, contou ao g1 que foi buscar a filha na creche e que, ao chegar em casa, foi dar banho nela e viu as costas da bebê com vários hematomas. Em seguida, ligou para a diretora da creche, perguntando se havia acontecido algo com a filha, mas a profissional negou.

"A diretora disse que não tinha sido informada de nada e que faria uma reunião com as demais professoras do maternal para verificar o que aconteceu", contou.

Segundo a mãe, ela procurou a delegacia e registrou um boletim de ocorrência no dia seguinte. A bebê foi encaminhada para o exame de corpo de delito.

"A médica legista examinou minha filha e ainda conseguiu identificar marcas de dedos nas costas dela e disse que o laudo deu positivo para maus-tratos e agressão. Disse para não levar mais minha bebê para aquela creche diante do resultado do exame", disse.

Funcionários demitidos

Após o início das investigações, a Prefeitura de Cuiabá exonerou a equipe gestora da creche municipal. Também foi aberto um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) para analisar as condutas por parte da equipe gestora e dos profissionais da turma.

Em nota, o órgão lamentou o ocorrido e disse que repudia qualquer ato de violência contra as crianças.

A criança também foi transferida para outra unidade da rede pública, com o consentimento da família.