Bem vindo ao Visão Notícias - 24 de Outubro de 2020 - 05:14

Eleições ao Senado

Pedro afirma que não fará de seu mandato um balcão de venda de emendas

25 de Setembro de 2020 ás 14h 35min, por Da Assessoria

O ex-senador e ex-governador Pedro Taques (Solidariedade) quer retomar o orçamento participativo de suas emendas no Senado Federal. Por esse projeto, Pedro teve a atuação reconhecida com prêmios nacionais e chegou a figurar como um dos políticos mais influentes do Congresso Nacional. Ele registrou ainda que inovou ao propor a criação do Plano Taques de Orçamento Participativo. 

"Foram R$ 60 milhões em ações e obras por todo Mato Grosso. Em quase todos os municípios conseguimos fazer ações com o foco na saúde, educação, desenvolvimento da criança e adolescente e na segurança pública. Quero dar continuidade a esse projeto e ampliar a participação popular no mandato", disse o pré-candidato. 

No Senado, Pedro afirma que não será senador despachante do governo federal e que não vai trocar emendas por acordos políticos com lideranças, mas que trabalhará a favor do povo. 

"Eu recuso a ser senador office boy do governo e a trocar emendas por acordos políticos como muitos políticos faz, o eleitor sabe disso. O povo decide o destino das emendas. A participação popular continuando o foco do novo mandato. No anterior, mostramos que é possível. Eu fui pessoalmente na maioria dos municípios de Mato Grosso ouvir a demanda da população", observou. 

No mandado de Pedro, cerca de 90% dos municípios de Mato Grosso foram contemplados com o orçamento participativo. Foram R$ 16,9 milhões para a saúde; 8,7 milhões para educação; R$ 5,9 milhões para o turismo e obras estruturantes nos municípios; R$ 4,1 milhões para segurança pública e R$ 2,2 milhões na estruturação dos Conselhos Tutelares no interior de Mato Grosso. 

"Faço o compromisso de continuar com o projeto e de contemplar o maior número de municípios. Já foi assim na outra passagem pelo Senado e quero continuar fazendo essa divisão entre os municípios, o cidadão é quem decidirá onde os recursos serão aplicados. O político precisa ouvir com atenção a demanda de seus eleitores. Peço que a população saiba como o seu candidato trabalha ou pretende trabalhar com as emendas. Só eu posso dar essa garantia ao cidadão, caso eleito", finalizou.