Bem vindo ao Visão Notícias - 14 de Dezembro de 2018 - 23:48
Política
14/05/2018 - 16:58h
Nova declaração afirmando que denuncia foi falsa poderá anular cassação de Brandão
Após declaração e novos fatos Brandão deve voltar ao cargo na Câmara.
Fonte: Redação / Marcos Silva

Em face do depoimento da acusadora, dizendo que tudo foi uma farsa, uma mentira, tendo levado os vereadores ao erro, o então ex-vereador Fernando Brandão, encaminhou na tarde desta segunda-feira (14) uma solicitação ao Presidente da Câmara de Vereadores de Sinop, Ademir Bortoli que a mesa diretora retifique a cassação e convoque imediatamente o vereador a assumir o cargo.

A solicitação foi encaminhada após a denunciante Nilza Assunção Oliveira, assinar reconhecido em cartório um depoimento declarando que as acusações contra Brandão foram falsas. No documento assinado por Nilza, ela relata que escreveu de livre e espontânea vontade, baseando-se em suas convicções e reconhece o erro. Ela fez em 2017, denúncias contra Brandão, dizendo na época que ele cobrava uma espécie de ‘mensalinho’, a denúncia levou os vereadores a votarem pela cassação do mesmo.

“Ocorre que eu faltei com a verdade, pois este fato nunca ocorreu e é por isso que venho através desta declaração explicar os reais motivos por tamanho devaneio por minha parte. Fernando sempre foi um homem correto, generoso, dedicado e eu sempre trabalhei pra ele e o ajudei nas campanhas por amor e por convicção”, diz uma parte do texto.

Veja abaixo o texto na íntegra:

 O documento entregue pelo advogado Vilson Paulo Vargas, que defende Brandão, pede que a Câmara tome providencias urgentes em relação a volta de Brandão. Segundo ele, a câmara poderá ser responsabilizada por IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA, pois existe o prejuízo ao erário de todo este tempo que o município esta pagando um vereador a mais de forma equivocada.

O site Visão Notícias teve acesso em primeira mão a declaração feita por Nilza e registrada em cartório.

Com esse novo depoimento, que vai ser juntado aos processo e encaminhado à outros órgãos, a Casa de Leis deve tomar um novo rumo.

Entenda o Caso: 

Ex – Servidores comissionados do vereador Fernando Brandão (PR), lotados na Câmara Municipal de Sinop, acusam o parlamentar de cobrar ‘mensalinho’ dos funcionários. De acordo com a denúncia, os valores teriam que ser repassados mensalmente. 

 Um dos servidores teria se negado a fazer os repasses e pedido exoneração após ter os salários integralmente retidos pelo parlamentar. 

Uma outra servidora, lotada no cargo de ouvidoria, também relatou ter passado pelo mesmo problema com o vereador. Do salário de 4 mil e sessenta reais, a servidora teria que entregar mil e oitocentos reais todos os meses.  Após ela se recusar a realizar os repasses nos valores solicitados por problemas de saúde, teria sido exonerada.

A servidora conta ainda que nem mesmo quando sofreu um acidente de trabalho dentro da Câmara, ficando afastada pelo INSS, teria se livrado de realizar os repasses. 

A servidora contou ainda que os repasses eram feitos na frente de agências bancárias para Viviane Bugarelli (chefe de gabinete do vereador Fernando Brandão) e uma vez para Eder, assessor do parlamentar. 

Diante das denúncias uma Comissão Processante foi instaurada composta por três vereadores: Joacir Testa (PDT), Dilmair Callegaro (PSDB) e Tony Lennon (PMDB), depois das investigações a comissão por unanimidade entendeu que o vereador Brandão tinha praticado Decoro Parlamentar. 

Para ser cassado o Vereador acusado precisa de dois terços dos votos, ou seja 10 votos favoráveis ao relatório da Comissão Processante, a sessão acontece neste momento. 

Depois de lido o relatório final da CP, o Brandão e seu advogado terá duas horas para defesa oral, depois cada vereador terá 15 minutos para argumentar seu voto, a votação acontece por ordem alfabética. 



Cadastro de Opinião
Nome:
E-mail:
Mensagem:
Blog's
Curta Nossa Fan Page

© 2018, visão notícias O seu portal de informação