Bem vindo ao Visão Notícias - 25 de Agosto de 2019 - 12:12

Falta da pagamento

Concessionária corta energia da UFMT em Sinop por falta de pagamento

16 de Julho de 2019 ás 12h 08min, por Da Redação
Foto por Divulgação Internet

A Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) em Sinop teve o fornecimento de energia cortada devido ao não pagamento de energia elétrica. O corte ocorreu, há pouco, na unidade escolar que afetou todo o campo. De acordo com informações seria quatro contas não paga do ano passado e este ano.

O mais afetado com a falta de fornecimento da energia é o hospital veterinário onde são feitas as pesquisas. Uma fonte revelou que sem energia algumas pesquisas precisam ser resfriadas e a queda na temperatura pode se perder.

Não foi informado qual seria o valor das faturas.

Em Cuiabá o entidade também teve o fornecimento suspenso. Segundo o site Midia News, o cortado na manhã desta terça-feira (16). O motivo são os seis meses de faturas em aberto.

De acordo com a assessoria da instuição, não há previsão para que a luz na unidade retorne. Uma reunião de conciliação entre a UFMT e a Energisa, concessionária responsável pelo fornecimento, deve acontecer ainda hoje. 

Na última semana, a UFMT recebeu uma notificação informando sobre o corte a partir das 7h30 de segunda-feira (15). Não há informações se o Restaurante Universitário (RU) atenderá aos estudantes durante o período. 

No final de junho, a UFMT já havia sido notificada pela Energisa sobre a possibilidade de interrupção na prestação de serviços por falta de pagamentos. Porém, na ocasião, a instituição conseguiu reverter o corte através de negociações. 

Na época, a unidade informou que a concessionária estabeleceu como prazo final o dia 5 deste mês. 

Corte de verbas

Ainda conforme a assessoria, a falta de pagamentos está relacionada ao corte de 30% nas verbas determinado pelo Ministério da Educação.

Em maio deste ano, a reitora da UFMT, Myrian Thereza Serra, afirmou que o bloqueio de R$ 34 milhões do orçamento anual poderia levar à parlisação das atividades a partir de julho. 

Myriam Serra já havia ressaltado que a UFMT poderia ter dificuldades para pagar as contas de luz, água e outros custeios básicos. Sem o corte, a instituição previa orçamento anual de R$ 1.027.150.013,00.

“O Restaurante Universitário, por exemplo, mesmo que tenhamos condição de fazer o pagamento do contrato, se não tiver água e energia, não tem como funcionar e não vai poder receber. Então, são necessidades essenciais que estão em risco”, afirmou a reitora à epóca. 

 

Mais detalhes em instante.