Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Bem vindo ao Visão Notícias - 24 de Setembro de 2021 - 23:25

COPA

Jogos arrecadam apenas 1% dos custos da Arena desde 2017; copa começa hoje

13 de Junho de 2021 ás 08h 42min, por Mikhail Favalessa e Douglas Santos
Foto por RD NEWS

Aarrecadação do Governo do Estado com jogos de futebol na Arena Pantanal é o suficiente para cobrir, no máximo, 1,2% dos custos básicos anuais de manutenção da estrutura que substituiu o antigo “Verdão”. É o que mostram dados de público e de arrecadação da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI) e que cobrem os anos de 2017, 2018 e 2019.

Em 2020, o estádio recebeu público apenas nos três primeiros meses do ano, em razão da pandemia de Covid-19 que atingiu Mato Grosso a partir de meados de março. Dados encaminhados à reportagem do  pela Secel indicam que o estádio arrecadou, ao todo, R$ 6,9 mil durante 14 eventos esportivos realizados de janeiro a março do ano passado.

Os dados de 2017 a 2019 foram divulgados pela Fiquem Sabendo, agência especializada em acesso à informação e transparência. E foram cedidos à agência pela jornalista Beatriz Farrugia, coautora do livro "1950: O Preço de uma Copa”.

A Arena Pantanal foi construída para a Copa do Mundo da FIFA de 2014, e recebe a Copa América a partir deste domingo (13), quando Colômbia e Equador se enfrentam às 21h (de Brasília).

Desde 2017, a arena recebe jogos do Campeonato Mato-grossense, organizado pela Federação Mato-grossense de Futebol (FMF), além de partidas disputadas pelos times da Capital nos campeonatos nacionais como Copa Verde e Brasileirão nas séries D, C e B, coordenados pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). O Cuiabá Esporte Clube subiu para a Série A e disputa a elite do futebol nacional neste ano, com mando de campo na Arena Pantanal.

A Secel cobra, por padrão, 8% do valor arrecadado com ingressos nos jogos esportivos realizados no campo da arena. O maior valor anual recolhido foi em 2019, quando R$ 49 mil entraram para os cofres públicos. Foram 40 jogos, com público estimado em 128,3 mil pessoas em todo o ano, com média de 3,2 mil por jogo. A capacidade máxima de público é 41,1 mil pessoas em uma única partida, mas a arena opera com espaço para 20 mil pessoas nos jogos, sem uso dos anéis superiores do estádio.

Made with Flourish

Em 2019, o custo anual de manutenção do estádio no período era entre R$ 4 milhões e R$ 4,5 milhões, o que indica que a arrecadação com os jogos cobriu cerca de 1% das despesas. Os valores arrecadados em um ano inteiro não cobrem sequer os custos mensais com energia da estrutura, que giram em torno de R$ 240 mil.

O governo tem buscado saídas para reduzir custos de manutenção da arena e também para repassar os gastos à iniciativa privada. A investida mais recente, divulgada pelo secretário Alberto Machado, o Beto Dois a Um, é a venda do nome do estádio, os "naming rights", por cerca de R$ 8 milhões anuais, o que cobriria os custos e daria margem para investimentos.

Em 2018, a arena recebeu 120,7 mil pessoas em todos os jogos. Apesar do público parecido com o ano anterior, a arrecadação foi bem menor, ficando em R$ 35,8 mil. Foram 63 jogos naquele ano. Já em 2017, último ano disponível na base de dados, o estádio recebeu 21 jogos dos times cuiabanos. O público foi de 14,2 mil pessoas nos 12 meses, com arrecadação ao Estado de R$ 10,6 mil.

O jogo do Cuiabá sub-20 contra o Goiás, da mesma categoria, em março de 2018, registrou a menor arrecadação aos cofres públicos. A partida deixou apenas R$ 28,50 arrecadados, e não teve público pagante. Também houve no período eventos isentos de pagamento da taxa de 8%, como festivais de dança, treinamentos de arbitragem e outros.

Além da arrecadação com os jogos, a Arena Pantanal também recebeu outros tipos de eventos. Em março de 2018, o grupo Aram Produções realizou o “Só Track Boa” na área interna, e pagou R$ 3 mil ao Estado como taxa de utilização da estrutura. Já o “Itaipava de Som a Sol”, da Fabinho Produções, pagou um total de R$ 3,2 mil por duas edições realizadas em outubro e novembro de 2019.

Edson Rodrigues/Secopa

Demoli��o do antigo est�dio Verd�o - Governador Jos� Fragelli

O antigo Verdão foi demolido para dar à lugar à Arena Pantanal para a Copa do Mundo FIFA

Há problemas na base de dados fornecida pela Secel e divulgada pela Fiquem Sabendo. O evento Rock Arena, por exemplo, realizado pela Gazaroo Produções, que contou com atrações internacionais em agosto de 2019 e cobrou ingressos a partir de R$ 25, consta com o valor “não encontrado”. O mesmo acontece com a Oktoberfest da Cervejaria Louvada, realizado em outubro de 2018.

Custos de construção

A Arena Pantanal foi erguida durante a gestão do ex-governador Silval Barbosa para a Copa de 2014, com a demolição do Estádio Governador José Fragelli, o “Verdão”. Em colaboração premiada homologada na Justiça, ele admitiu que seu grupo político cobrou 3% da obra em propina para favorecer a Mendes Júnior Trading e Engenharia S/A, que liderava o consórcio responsável pela construção ao lado da Santa Bárbara. Cerca de R$ 18 milhões foram pagos ilegalmente pela empresa ao ex-governador.

A obra nunca foi entregue oficialmente por problemas contratuais entre as empresas e o governo. O valor inicial do contrato era de R$ 342 milhões e foi atualizado por meio de aditivos chegando a, pelo menos, R$ 453,2 milhões. Apenas para a parte física da arena, o custo pode chegar aos R$ 500 milhões, se considerados reparos desde o início da operação.

Esse valor não inclui o contrato com o Consórcio C.L.E. Arena Pantanal, inicialmente firmado em R$ 98,1 milhões para fornecimento e instalação de equipamentos e sistemas de Tecnologia da Comunicação. O grupo formado por Canal Livre Comércio e Serviços, e Etel Engenharia, Montagens e Automação, cobra valor final estimado em R$ 110,8 milhões, e esse serviço e o valor levaram a discussões judiciais com o governo também.

Outra questão judicializada é o contrato com a Kango Brasil, responsável pelo fornecimento dos assentos do estádio e outros materiais. O valor é de R$ 18,2 milhões. O montante arrecadado pelo Estado com os jogos entre 2017 e 2019, cerca de R$ 95,5 mil, representa 0,01% dos cerca de R$ 582 milhões gastos para a construção da Arena Pantanal, se somados esses três contratos.